Por aqui terminamos e começamos o ano viajando. Estávamos precisando descansar, curtir, conhecer pessoas e lugares. Passamos a virada do ano em Caraguatatuba. E entre sol, praia, piscina, gente animada e amigos vivemos os últimos dias de 2018.

Dia 2, bem cedinho, chegamos na terra da garoa pra ficar mais uma vez na casa dos nossos amigos, o Rafa e Mi, que já falamos aqui e aqui. A gente tinha apenas 5 dias e uma lista infinita com vários lugares para conhecer. Conseguimos visitar muitos apesar do recesso e das férias coletivas. Aproveitem as dicas!

Farol Santander (Banespão) + Café Torra Clara

Eu vivo com um olho no Rio de Janeiro e o outro no mundo. Daqui eu pesquiso e anoto todos os lugares que desejo conhecer. Quando percebo, estou com uma lista enorme e uma voz repetindo: viaja, viaja, viaja! Foi assim que parei em algum instagram que falava do Farol e pirei. Um prédio no centro da cidade, de 1940, inaugurado oficialmente em 1947, pois a obra levou 7 anos até ficar pronta. Inspirado no Empire State, o lugar é lindo, repleto de história e com uma vista de São Paulo de tirar o fôlego.

Pra entrar e visitar todos os andares pagamos R$ 20. Pista de skate (estava em obras), um café e algumas exposições acontecem no local. No dia da nossa visita destaque para: “Trem das 11 – Uma viagem pelo mundo de Adoniran”, que conta a história do sambista Adoniran Barbosa. Amei também uma sala com o trabalho do Vik Muniz. Vale entrar no site oficial para conferir a agenda de exposições, dias e horários.

Uma curiosidade: como o prédio abrigava um banco, podemos conhecer em detalhes como era a rotina de uma agencia nos anos 30/40. O ponto alto é o topo do prédio que sendo bem repetitiva conta com uma vista linda!

 

De lá fomos direto pro Café Torra Clara, na Oscar Freire. Esse eu namorava muito tempo pelo instagram (entra aqui). Sabe o que foi mais incrível: não é apenas um lugar fotogênico. Tem uma energia daquelas que eu amo, café (e chocolate) quentinho e o melhor waffle (de pão de queijo) que eu já comi em toda a minha vida. Ele é feito com queijo Canastra e para acompanhar escolhemos doce de leite (mas pode ser com requeijão, mel, manteiga, geleia ou nutella). Todos os dias eu lembro dele e sonho em voltar logo.

Pra beber eu pedi um chocolate quente (com cacau Belga) e o Edson um cappuccino. Como se não fosse suficiente, o atendimento foi impecável (pra quem viu no meu instagram: sigo querendo a amizade do Ricardo <3).

Sukiya + Japan House + Beijamim

No segundo dia resolvemos almoçar no Sukiya, fast food de comida japonesa que minha amiga resumiu muito bem: McDonald’s do Japão. rs Eu amei a comida e recomendo super. Eu pedi um The Gyudon Tradicional: carne fatiada e cozida com molho especial, acompanha arroz japonês, e o Edson pediu o dele com Shimeji, cogumelo na salsa e manteigaO combo dele acompanhava um frango frito bem saboroso.

Em seguida fomos conhecer a Japan House, centro cultural japonês, na Avenida Paulista. Lá é possível conhecer um pouco do Japão Contemporâneo. São três andares com atrações gratuitas voltadas à arte, gastronomia e tecnologia do país.

No dia da nossa visita chamou nossa atenção a exposição do designer japonês Kunihiko Morinaga: ANREALAGE – A LIGHT UN LIGHT. 

Uma curiosidade: o banheiro é bem tecnológico. Tipo muito mesmo. Isso rendeu boas gargalhadas.

Na volta bateu aquela fome e aí resolvemos entrar na Benjamin a Padaria. Notamos que são muitas espalhadas pela cidade. Particularmente achei o lugar bonito e indico o bolo de chocolate.

Padaria Artesanal + Benedito Calixto

No sábado eu, Edson, a Mi e o Rafa, queríamos um brunch. Foram muitas opções até decidir pela  Pão Padaria Artesanal Orgânica. Pena que ao chegar no local, em Vila Nova Conceição e dentro do Spa  SPA L’Occitane , descobrimos que era apenas café da manhã. Mas as delícias e o local bem bonito compensaram nossa frustração.

Depois eu e Edson seguimos nossa programação e fomos para a Benedito Calixto. A gente já conhecia e falamos dela aqui. Amamos a feira de antiguidades e também as lojas quem ficam no entorno. Aliás, tem muita coisa nova pra explorar.

Bixiga + Avenida Paulista

Eu amo uma velharia. E nem é pela moda. Quem me conhece mais tempo sabe que eu sempre amei garimpar coisas na Feira do Lavradio, aqui no Rio. Sempre que vamos pra São Paulo eu dou um jeito de passar pela Feira do Bixiga. Mesmo que você não compre nada o passeio vale muito. Sem contar no restaurantes tradicionais que ficam por ali. Fomos pela segunda vez na Cantina Conchetta e tivemos a companhia da nossa amiga Juliana. Eu e Edson temos um apego enorme ao Sr.Walter, que encanta todos com sua participação mais que especial na hora do almoço. Vale a visita! <3

Saindo de lá fomos encontrar alguns amigos (obrigada Diego, Letícia e Bruna <3) na Avenida Paulista. Domingo ela fica fechada e a galera se reúne para passear com a família, andar de bicicleta, patins e ouvir muita música. Eu amo aquele clima.

I Need Brechó

No último dia ainda deu tempo de visitar o brechó mais lindo que eu já fui até hoje. Sigo o I Need Brechó no instagram faz muito tempo. Eu fico louca vendo a decoração, os eventos e, claro, os looks. Sempre mando mensagem elogiando e sempre avisava que um dia ia conseguir visitar. Adiamos nossa volta pro Rio em um dia só pra conseguir ver de perto. E vou contar: valeu muito!

A curadoria é incrível e além de peças vintage garimpadas em vários lugares do mundo, lá você também encontra peças que estão atualmente nas vitrines de várias marcas.

A loja fica na parte de cima e tem um estúdio de tatuagem na parte de baixo. Os melhores dias para visitar são terças e quartas, quando chegam peças novinhas e as araras ficam repletas de coisas estilosas. Ah, dá pra comprar online também. <3

Agora aperta o play nesse vídeo, viaja com a gente e já anota seus favoritos na lista de coisas para fazer em SP.

Pin It